FUNDAÇÃO DO IVC BRASIL ivc/institucional/histórico

A Importância da Auditoria de Circulação de Jornais e Revistas no Mercado Publicitário Mundial


A idéia da Auditoria de Circulação surgiu pela primeira vez em 1847 e foi originada por um conflito existente entre dois grandes jornais americanos: New York Herald e o New York Tribune. No entanto, somente em 1889, inicia-se a história do controle de Circulação de Jornais e Revistas com a Association of American Advertising.


Em 1913, foi organizado o Bureau of Certified Circulations, estimulado pela Association of National Advertisers. Ao mesmo tempo, surgia em Chicago a Advertising Audit Bureau, que serviu de base à American Association of Advertisers. No ano seguinte, as duas organizações fundiam-se dando origem ao atual Audit Bureau of Circulations (ABC).


A partir de então, a necessidade e utilidade dos dados de circulação foi constatada em vários países, que começaram a fundar suas organizações: França (1922), Suíça (1925), Dinamarca (1930), Inglaterra (1931), Austrália (1932), Canadá (1937), Noruega (1940), Suécia (1942), Argentina (1946), África (1947), Índia (1948), Alemanha (1949), Bélgica (1951), Japão (1952), Finlândia (1956), Venezuela (1957), Brasil (1961), Itália (1962) e Israel (1963).


No ano de 1963, foi fundada a International Federation of Audit Bureaus of Circulations (IFABC), em Estocolmo, na Suécia. A entidade começou com 20 organizações de 18 países, incluindo o IVC do Brasil. A fundação do IFABC fomentou a criação de novos Institutos de Auditoria de Circulação em países como Espanha (1964), Nova Zelândia (1966), Holanda e Coréia do Sul (1967) e Uruguai (1968). Todos os Institutos têm o objetivo de apurar a circulação de jornais e revistas a eles filiados por meio de técnicas especializadas de Auditoria.


Atualmente, não se fala de circulação de forma especulativa, vaga e imprecisa. A circulação de publicações é um padrão exato de medida, como o metro, litro, grama etc. O reconhecimento de métodos minuciosos de aferição despertou o interesse dos Anunciantes e Agências, que passaram a conhecer não somente o aspecto quantitativo do público comprador das publicações, mas também dados demográficos quantificáveis, que permitiam melhor caracterização do perfil dos leitores. Essa vertente tornou-se um fator determinante na escolha dos veículos, trabalhando com dados reais e atualizados, que embasariam estudos dos custos por centímetro, coluna e milheiro de exemplares aplicáveis às mensagens publicitárias.



Como Nasceu o IVC Brasileiro


Uma Comissão de Controle de Circulação integrada por 54 Delegados fazia parte das atividades do I Congresso Brasileiro de Propaganda, realizado em outubro de 1957, no Rio de Janeiro. Após três sessões de debates, a Comissão encaminhou a tese n.º 3, apresentada pela Associação Brasileira das Agências de Propaganda (ABAP) e organizada em trabalho conjunto por Armando D' Almeida, Francisco Teixeira Orlandi, Ivan Pedro de Martins, Altino João de Barros e Olympio Guilherme. Além do empenho deles, houve valiosa colaboração do Audit Bureau of Circulations (ABC), dos Estados Unidos, e de Editor e Publisher, de Nova York, bem como do Instituto Verificador de Comunicação (IVC), da Argentina.


Os debates resultaram na aprovação da tese que constituiria o Instituto Verificador de Comunicação (IVC), sob os auspícios da Associação Brasileira de Propaganda (ABP), do Sindicato dos Proprietários de Jornais e Revistas, da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Agências de Propaganda (ABAP).


Contudo, apenas em novembro de 1961, a ABP, presidida à época por Caio Aurélio Domingues, resolveu atender às recomendações do I Congresso Brasileiro de Propaganda e fundar o IVC, que passou a operar como um departamento da ABP. A fundação contou com o apoio do Jornal do Brasil, Correio da Manhã, O Globo, Bloch Editores, Visão, Seleções, Mecânica Popular, Denison Propaganda, J. Walter Thompson Publicidade, McCann-Erickson Publicidade, Standart Propaganda e Waldemar Galvão Publicidade.


No início de 1962, o IVC começou a funcionar tecnicamente como entidade sem capital e fins lucrativos, objetivando distribuir informações sobre dados de Circulação fornecidos pelas publicações, bem como verificar por meio de Auditoria a Circulação Líquida, emitindo relatórios das Verificações para uso exclusivo de seus associados, sem quaisquer comentários para que a compra e venda do espaço destinado à propaganda se assentassem sobre normas eqüitativas. Desta forma, seus filiados (Anunciantes, Agências de Publicidade e os Próprios Veículos) passaram a ter pleno conhecimento das possibilidades de veiculação da propaganda.


Em 1965, a ABP concedeu autonomia ao IVC e a entidade ganhou personalidade jurídica própria. No ano de 1978, a 8º Assembléia do IFABC foi realizada no Rio de Janeiro, no Hotel Copacabana Palace. Na ocasião, foi criado um prêmio de honra ao mérito às entidades ou indivíduos e o primeiro ganhador foi o IVC do Brasil. No ano de 1999, o IVC reformula suas Normas Técnicas de Mídia Impressa e aprova os investimentos para iniciar a auditoria de websites, serviço que começou no ano seguinte e foi pioneiro na América Latina. Atualmente, convém destacar que o IVC realiza a divulgação de informações e auditorias de mais de 400 publicações (jornais e revistas) filiadas ao Instituto.